• Jenni

    “É quase sexualmente prazeroso pra ele falar mal de você”, essa expressão me lembrou muito de uma aula no início da faculdade que eu tive sobre serial killers, que enquanto eles matam, eles sempre muito prazer.

    Aí está mais um motivo que eu não crio canal no Youtube: haters. Eu tenho mania, péssima na verdade, de querer agradar todo mundo e de me colocar no lugar da pessoa. Claro que se a pessoa passa muito dos limites ou me faz muito mal, na primeira oportunidade de largar ela, eu faço. Mas até isso acontecer, eu me esforço bastante pra agradar (pois é, eu deveria ser mais individualista, mas não consigo).

    Hater gera polêmica. Já conheci canais porque um hater reclamou de fulano. Fui no canal de fulano e acabei gostando.

  • hagazo

    Você vai aprendendo a lidar com isso aos poucos. Tem que aprender a lidar, senão é extremamente prejudicial pra você mesma. Com o tempo você vai passando a selecionar quem você responde, percebe que não deve satisfação a ninguém, e isso é bom. Querer se explicar pra cada pessoa que opina – muitas vezes sem que você peça – é a pior coisa que um criador de conteúdo pode fazer. Vai gerar discussão, a outra pessoa não vai parar de argumentar, e fica feio pro criador de conteúdo, que é quem vai sair mais prejudicado nisso tudo. O outro é alguém “anônimo” (e não veja isso como pejorativo), e na cabeça das pessoas a reação pior sempre será do Criador de Conteúdo.

    O negócio é ter suas próprias convicções, ouvir sim o feedback das pessoas, mas não dar margem pra que qualquer um chegue e opine. Às vezes é legal e são boas opiniões, mas às vezes é alguém que jamais esteve em seu canal e chega com tons de propriedade, como se soubesse do que estava falando. Já recebi muitas “críticas” assim, de gente que nunca vi no canal, falando bobagens que não faziam sentido pra minha realidade, mas que a pessoa acha que faz, acha que sabe mais e acha que conhece. Tem que filtrar bem, senão enlouquece também, hahaha. Muita gente não faz por mal, mas acontece.

    Eu mesmo já fui uma pessoa que opinava em cima de tudo. Até um dia que eu percebi que às vezes é até falta de educação, hahaha. Você se intromete e não sabe da realidade da outra pessoa (vale pra tudo na vida), e dá pitaco, como se soubesse de tudo. Desde então guardo minha opinião pra mim e tento dar só quando me solicitam ou é aberto espaço pra isto.

    A internet (e o mundo) é cheia de “entendidos”. A gente vive uma era em que todo mundo acha que sabe de tudo, estuda cada vez menos sobre as coisas e vive de ler títulos e formar opiniões. Li um texto bem interessante ( http://revistagalileu.globo.com/Revista/noticia/2015/01/so-nao-sei-que-nada-sei.html ), recomendo!

    É ideal para o criador de conteúdo ouvir feedback de pessoas engajadas, que estão sempre pelo canal e marcando presença, e ouvir também o de outras pessoas com toda a humildade possível, porque o feedback ajuda a melhor, mas ele precisa ter convicções próprias e traçar um caminho que ele acha correto, senão toda hora ele vai se desviar ouvindo opinião das pessoas. Isso nunca dá certo. Tem que saber dosar.

  • Pingback: ()

  • Dereck Bolsanelo

    Sei exatamente o que você passa, não consigo fazer o que me dizem: “Esquece o que as pessoas pensam de você e vai ser feliz.” Eu sempre penso no que irão pensar de mim, por um lado é até bom, mas por outro lado acho que deixo de curtir/fazer coisas por causa disso, e isso é ruim. Ja pensei várias vezes em criar um canal, mês retrasado quase comprei uma placa de captura (mas ai eu li em um blog de finanças que se você for gastar uma grana, pense por 20 dias, amém, eu desisti naquele momento) mas ainda penso em criar, o meu grande problema é que as vezes tenho ideias boas, mas tem semanas que não me vem nada da cabeça, ai eu penso, droga, como farei pra manter público entretido toda a semana, complicado, mas ja estou pensando nisso, ver se invisto um pouco, se não der certo ja fica uma experiência ;D

  • Dereck Bolsanelo

    Sobre conhecer canais através de haters, aconteceu comigo esse mês hahaha um canal falando mal do outro, fui la e me inscrevi nos dois, depois percebi que na verdade nenhum dos dois eram legais, tirei a inscrição 😀 e por mais que eu pudesse chegar la e falar: “Oh, tá fazendo errado, ta ruim, ta isso” eu simplesmente deixo de lado, porque eu não gosto, mas deve ter alguém que curta, e nem sempre comentários criticando são haters, as vezes o cara tem ideia sim do que está falando e a gente por amar o trabalho (vídeo que fizemos) não nos tocamos, trabalhei em uma agência de publicidade que meu colega de trabalho não aceitava nenhuma sugestão e é sério, as vezes a arte estava ruim, mas ele tinha tanto amor pelo trabalho que fez que achava que estavamos com inveja, o que aconteceu? com o tempo todos paramos de dar dicas, deixamos o cara apresentar os projetos como ele quisesse, e sempre o projeto voltava com várias alterações, claro que são casos isolados, haters existem aos montes mas temos que saber ver quando aquela crítica realmente faz sentido ou não.
    Parte puxa saco: não acontece nos seus, eu acho todos os vídeos irados, e os jogos que eu não curto, tipo gta e talz, eu abro, dou like pra ajudar e fecho hahahahahahaha, vou criar um abadá: “Inscritos do Hagazo.”

  • Jenni

    Reparo que quando um youtuber está sem ideias, ele pede sugestões dos inscritos sobre o que gravar. Então, acho meio difícil ficar zerado nas ideias, porque sempre vai ter alguém com uma ideia boa pra te inspirar. Ou eles acabam assistindo vídeos de outros youtubers e acabam tendo ideias (principalmente em vídeos de TAG).

    Eu sou bem estranha. Porque eu fico me martirizando “o que eles vão pensar de mim?”, mas quando eles realmente falam o que pensam, eu ignoro totalmente. Bem maluco isso.

  • Rebeldia Filmes

    HATER é o cara que se acha tão bom que não faz nada pra não humilhar aos demais!!
    “claro na visão doentia do hater kkkk ”

    Quer mais frases e pensamentos cheios de rebeldia? vai no youtoba e procura o REBELDIA FILMES!